Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Se eu mandasse nisto

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se eu mandasse nisto

31
Out17

Um ex-ministro da Cultura que afinal não a tem.

Eu

Manuel Maria Carrilho foi condenado por, entre outras coisas, violência doméstica?!? Li bem? 

Parece que afinal sempre é verdade, no melhor pano cai a nódoa. 

Parece que a violência doméstica e a falta de respeito pelo outro não estão diretamente relacionadas com o quantidade de euros na conta bancária, nem com a vida de luxo que se mostra, nem com a aparência, que neste caso mostrava sempre um personagem demasiado sério, demasiado "bem", demasiado nariz empinado. 

O que me espanta nisto é a falta de respeito, pela pessoa, pela mulher, pela mãe dos filhos. Não devia e não pode vir de alguém que representou o país. Não pode, porque quem representa o país tem a obrigação de dar o exemplo, de mostrar como se faz. 

 

Se eu Mandasse Nisto...

.... Perdia toda e qualquer pensão que viesse da parte do estado por ter desempenhado cargos públicos. Não quero, e não gosto de ver o meu dinheiro, o dinheiro dos meus impostos a pagar pensões a um ex-ministro da Cultura, que acaba de ser condenado por um crime que revela que de cultura tem muito pouco e de respeito pelos outros não tem nada. 

 

 

 

31
Out17

Nem que tentem, já ninguém se assusta

Eu

Depois do que se tem vivido no país nos ultimos tempos, o Halloween é uma brincadeirinha de crianças. Nem bruxas, nem mortos vivos, nem fantasmas, nem vampiros. Nada pode assustar mais. Bem podem vestir a máscara mais assustadora, pintar a cara, comprar os piores adereços, fazer os sons mais terríveis. Nada disso mete medo. 

 

O que assusta de verdade....

....é pensar que há gente que perdeu tudo, em Agosto, e que ainda está à espera de soluções.  

... é saber que os Portugueses deram milhões, mas ainda ninguém lhes viu a cor. 

....é saber que o inverno está à porta e que ainda há gente sem teto e sem sitio condigno para dormir.

.... é saber que houve gente a enganar outros como no caso do BES, a fazer com que algumas pessoas perdessem tudo o que tinham amealhado ao longo da vida, e continuam impunemente a passear os esqueletos na rua. 

... é haver eleições e ver serem eleitos cidadãos que não têm minimamente perfil para aquilo e de quem já se provou, na justiça inclusivamente, a falta de capacidade. 

...é haver doentes oncologicos a quem a junta médica manda trabalhar, porque feliz ou infelizmente a doença não lhes apanhou as mãos.

...é haver no conjunto de gente que nos governa uma série de personagens com amnésia e outros que não estando mortos disfarçam bem.

....é haver filas de espera nos hospitais que demoram tanto que os doentes acabam por morrer. 

 

Isto é que mete medo. Isto e mais umas tantas coisas do mesmo género. A lista chega até ao Natal. 

 

Transfiram o Halloween para países onde quem manda não ande permanentemente a brincar às bruxas. Pode ser que aí assuste alguém. 

 

Se Eu Mandasse Nisto....

....Dizia basta à palhaçada. A morrer de susto andamos nós há muito tempo. 

30
Out17

Homens, vamos lá olhar para as mamas.

Eu

Para essas, que estão dois palmos abaixo do nariz.

 

Assinala-se hoje o dia nacional da prevenção contra o cancro da mama. 

Há cartazes, há laços cor de rosa, há pessoas a chamar a atenção para o assunto, há iniciativas, há de tudo um pouco. Mas é preciso mais ou, pelo menos, é preciso Diferente. 

 

O cancro da mama é o tipo de cancro mais comum entre as mulher, mas não é exclusivo das mulheres.  

Corresponde à segunda maior causa de morte por cancro, entre as mulheres, mas não é exclusivo das mulheres. 

Não é exclusivo das mulheres!

 

Por isso é preciso voltar, também, as atenções para os homens, porque os homens também podem ter cancro da mama. 

E se as mulheres ouvem, há anos, falar do assunto, como se as mamas fossem uma exclusividade feminina, os homens, muitos deles, continuam a assobiar para o lado. Preocupam-se com a prostata, com o estômago, com os pulmões, mas esquecem-se que mamas, temos todos. 

Os alertas, os rastreios, as chamadas de atenção, as iniciativas, os folhetos.....devem, por isto, ser também dirigidos aos homens. Para que estejam atentos ao que se passa com as mulheres e para que estejam atentos ao que se passa consigo próprios. 

 

No homens, tal como nas mulheres, o diagnóstico precoce é importante e pode ser o primeiro passo para a cura. Nódulos, alterações de aspeto, descarga mamillar....são sintomas a ter em conta. 

Por isso, Homens,vamos lá prestar atenção, porque o cancro da mama, não é exclusivo das mulheres. 

 

Se Eu Mandasse Nisto...

....os rastreios eram para homens e para mulheres. Porque os homens só representam 1% dos casos, mas são 1%. 

 

29
Out17

E como é que se muda a hora no corpo?

Eu

Mudou a hora. Às 2h passou a ser 1h e teoricamente esta noite passava a ter mais uma hora.

O primeiro pensamento foi de alegria, mais uma hora para dormir e mais uma hora para descansar. Quem bem que ia saber.

 Errado! 

Ninguém explicou ao cérebro, ao corpo, aos neurónios ou a quem quer que seja que comanda esta máquina, que a hora tinha mudado e que era suposto adaptar-se à nova realidade. Ora, o que aconteceu é que às 7h que agora são 6h, a máquina despertou como era hábito, e nada a fez voltar a desligar. Resultado, às 8h que agora são 7h estava tudo apostos para sair de casa e beber um café, mas era demasiado cedo. 

Às 9h que agora são 8h já devia estar de regresso a casa e ainda nem tinha saído. 

E quer-me parecer que lá para 13h, que agora são 12h, já a máquina deve estar a pedir alimento há muito, e com um bocadinho de sorte à noite também vai querer desligar na hora errada.

 

Não faz sentido! Mas de onde é que virá esta ideia fabulosa de andar a mudar a hora para trás e para a frente? 

Os dias no inverno são mais curtos, porque a inclinação do planeta e o movimento à volta do sol assim o decidem. No verão, os dias são maiores por isso também. Não há que andar a querer alterar a coisa. Amanhecia mais tarde ou mais cedo, e anoitecia mais cedo ou mais tarde, paciência. Afinal de contas não funcionamos com células fotovoltaicas.

 

Se Eu Mandasse Nisto...

....as horas continuavam como sempre foram, umas a seguir às outras e depois de serem 2h não voltava a ser 1h. 

 

28
Out17

Gostavam de ir ao museu da escola?

Eu

Talvez não seja do conhecimento da maioria das pessoas, mas algumas das nossas escolas têm um museu, ou quase.

 

Só em Lisboa são alguns.

Na escola Secundária de Pedro Nunes o antigo laboratório Rómulo de Carvalho foi transformado num museu, com o mesmo nome. Lá dentro estão muitos instrumentos usados nas aulas de física, alguns deles construídos pelo próprio Rómulo de Carvalho.

No velho Liceu Camões também há um espaço de museu. Ali a  coleção é extensa. É possível encontrar animais embalsamados, alguns exemplares da coleção de Brendel, uma coleção de modelos de botânica,  feitos em papel maché, com uma  elevada precisão científica e também um herbário vindo diretamente da ilha do Príncipe.

No Colégio Militar, há mais um museu. Animais embalsamados (crocodilos, leopardos, tartarugas), uma das maiores coleções de Brendel do país, um esqueleto de hipopótamo e uma enorme coleção de minerais fazem parte do espólio.

 

Fazendo uma pesquisa rápida, podemos ver que no país todo há mais algumas escolas com museus.  Estes museus, guardam autenticas preciosidades,  mas têm todos, ou quase todos, o mesmo problema. Estão fechados!

 

Por isso, apesar de ser fim de semana, do tempo estar bom e de haver vontade, não vai ser possível visitar nenhum. Lamento!

 

Se Eu Mandasse Nisto....

...recuperava-se uma das muitas escolas antigas que estão fechadas e criava-se um Museu Escolar que albergasse todas estas coleções e que fosse visitável por todos.

 

27
Out17

Quem não faz greve, que cumpra o horário de trabalho.

Eu

Se fazer greve é um direito, não fazer greve também o é. Até aqui, nada a assinalar. 

 

Mas o que fazem as pessoas que optaram por não fazer greve e que, ao chegarem ao local de trabalho, encontram o serviço encerrado por não haver condições (número mínimo de funcionários) para que esteja em funcionamento? 

Em alguns locais, assinam a folha de presença de dão meia volta. Noutros, picam o ponto e dão meia volta. Em alguns, ficam apenas durante um bocadinho, para garantir que a pessoa responsável pela marcação das faltas o vê e não se engana na hora de marcar a cruz vermelha. E noutros, raros, os chefes chamam o pessoal à razão e mandam cumprir, na integra, o horário de trabalho. 

 

A fazer o quê, se o serviço está fechado?

A fazer o que se quiser fazer. A avançar no trabalho que está pendende. A resolver problemas que andam pendurados há meses. A organizar o que está desorganizado.

Porque se quem não faz greve tem o direito de não a fazer tem, também, a obrigação de cumprir o seu dia de trabalho. 

 

Se Eu Mandasse Nisto....

..... ninguém tirava partido da greve dos outros. Estavam em greve ou estavam de serviço, e se estivessem de serviço, cumpriam o horário. 

 

26
Out17

O Natal, os consumo e o preço dos brinquedos

Eu

Começa a cheirar a Natal, ou devia começar, porque o tempo ainda faz lembrar mais o Verão do que o Natal, e começa a velha história das compras e dos presentes. 

Até gosto de receber presentes, e até gosto de gastar algum do meu tempo à procura do presente ideal para aquela meia dúzia de pessoas que me é mais próxima, mas para tudo há, ou devia haver, um limite. 

Acaba de chegar ao meu mail o catálogo do Natal de uma loja de brinquedos. Até aqui tudo normal. Abro o dito catálogo e a primeira coisa que me salta à vista, não são os brinquedos. São os preços dos brinquedos!

 

Num catálogo inteiro, são muito poucos os brinquedos a menos de 20€,  encontram-se muitos a rondar os 40/50€  e vários a ultrapassar os 100€.

 

100€ por um brinquedo?

Por um monte de plástico, que na maioria dos casos não tem interesse nenhum a não ser o facto de ser da familia de algum dos super heróis da moda?

100€ por uma coisa que não chega a ter as caracteristicas necessárias para desenvolver alguma competência nas crianças?

 

Mas está tudo doido? 

100€ é quase um quinto do salário minímo nacional!

 

Não devia ser permitido. Não me parece correto. Não acho que se deva oferecer às crianças o brinquedo deste preço, porque é exatamente isso, um brinquedo. 

Mas eles pedem? Pois pedem, mas cabe aos pais e às pessoas que estão próximas explicar-lhes que 100€ é muito dinheiro. Que dá para comprar muitas coisas. Que chega para fazer coisas muito divertidas. Que pode servir para fins muito melhores e muito mais interessantes.

O valor do dinheiro ensina-se desde pequeno, ou devia ensinar-se.

 

 

Se Eu Mandasse Nisto...

.... Criava uma escola de familias, onde os pais e tios e primos e avós iriam aprender que uma tarde no parque, um passeio de domingo ou fim de dia dedicado à brincadeira são muito mais baratos e valem muito mais do que qualquer brinquedo de 100€. 

 

 

 

25
Out17

A Moção que não passou.

Eu

O governo passou, como que por entre as gotas de chuva, e safou-se na sua primeira Moção de Sensura. 

 

O que me espanta neste caso, não é que tenha havido uma proposta para uma Moção de Sensura, nem é que a proposta tenha sido apresentada numa altura em que a preocupação do governo e da oposição devesse ser outra, porque afinal estavamos ainda em fase de rescaldo (literalmente e figurativamente) dos incêndios dos ultimos dias. 

 

O que me espanta é que a lider de um dos paridos da oposição tenha o distinto descaramento de achar que os portugueses são parvos ou que têm memória curta. É preciso ter muita falta de vergonha na cara. 

Será que a senhora não se lembra que já esteve no governo e que quando lá esteve não fez nada, ou quase nada, que se aproveitasse? Será que não se lembra que esteve ao serviço do governo na qualidade de ministra  responsável pelo ambiente? Será que não se lembra que autorizou a plantação massiva de eucaliptos, que agora se vieram a revelar uma praga nos incêndios? (Como qualquer pessoa com dois palmos de testa conseguiria prever)

Será que não vê que podia ter feito mais, melhor e diferente? 

Quem falhou da forma que ela falhou, quem falhou da forma que o seu governo falhou não pode, agora, vir com aquela ligeireza apontar o dedo da forma que aponta. Porque se o país vai mal, a culpa não é só da "Geringonça" é que também de todos os que, anteriormente, foram permitindo que coisa fosse andando em vez de andar. 

 

Se Eu Mandasse Nisto....

.... os lideres da oposição eram obrigados a escrever 100 vezes: "Não se deve atribuir aos outros uma culpa que também é nossa".

 

24
Out17

O adultério e a flatulência

Eu

Assim, de repente, quase que podia estar a falar de uma história romântica com um casal de personagens mas não é, de todo, essa a intenção. 

Nos ultimos dias tem andado nas bocas do povo uma notícia sobre a decisão, quase cómica, não fosse a gravidade da situação, de um acordão do Tribunal da Relação do Porto, a propósito de um caso de adultério. 

Ora, vamos lá ver...

O adultério, tal como a flatulência, não são crimes. São socialmente reprováveis, assim como são os arrotos em público e outras coisas que tais, mas não são crimes. 

Assim sendo, justificar ou querer fazer crer que uma pessoa que não cumpre normas sociais desta natureza tem, ou deve ter, motivo para ser castigada, para se sujeitar a abusos é no mínimo anedótico. Patético, mesmo. 

Por esta ordem de ideias, se da próxima vez que alguém arrotasse em público levasse um soco de outro alguém, não haveria problema, porque afinal estava a quebrar regras sociais e tinha mais era que se sujeitar ao castigo.  Não significa isto que eu ache que devemos andar por aí a arrotar ou a libertar gases, mas também não acho que quem o faz tenha de sujeitar aos desvarios de quem não gosta.  

Uma decisão destas revela um total desconhecimento da realidade onde vive. Revela uma total falta de sensibilidade. Revela uma total falta de competência para as funções que desempenha.

 

Se Eu Mandasse Nisto....

.... Esta pessoa não emitia mais nenhum despacho desta natureza. Saltava do lugar como uma pipoca. 

 

24
Out17

Cristiano Ronaldo: É obrigatório gostar.

Eu

Porque sim. Porque atingiu um patamar em que é impossível e impensável não se gostar dele. 

Não me interessa se tem uma familia A ou B ou C. Não me interessa se tem filhos com esta ou aquela, desta ou daquela forma. Não interessa se colecciona carros, ou casas  ou aviões. Não me interessa se passa férias num iate, numa ilha ou na serra do Gerês. Não me interessa se pagou impostos, se não pagou ou se vai pagar. 

Nada disso interessa, porque isso é a vida dele e que só a ele diz respeito. O que me interessa é que enquanto profissional, no seu lado público da vida, é o melhor dos melhores, o melhor do mundo. E nesse lado, é obrigatório gostar dele. Porque tem o todos deviamos ter, a força de vontade, o entusiasmo, a dedicação, o esforço, o querer ser melhor a cada dia. Porque se é verdade que o talento ajuda, também é verdade que só o talento não faz milagres se a cabeça não tratar de fazer o resto e não disciplinar o corpo. Porque toda a gente sabe que, quem não vem de berço de ouro, tem a vida dificultada e algumas portas custam muito mais a abrir. Porque teve a coragem de aos 11 anos deixar a familia (e a familia de o deixar a ele) para ir atrás de um sonhos. 

E porque foi. E porque fez. E por é. 

É obrigatório gostar dele. 

 

Se Eu Mandasse Nisto...

.... O Ronaldo era obrigado a dar umas lições de esforço e de dedicação a esta gente que tem agora 13 e 14 nos e que acha que o mundo começa e termina na etiqueta dos ténis e das camisolas.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D