Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Se eu mandasse nisto

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se eu mandasse nisto

31
Dez17

Que venha 2018

Eu

Que traga todas as coisas boas que 2017 se esqueceu de trazer. 

 

...e que me faltem motivos para escrever.

 

Pé direito na frente.... venha ele!

 

Se Eu Mandasse Nisto...

.... Punham-se mãos na consciência. Aprendia-se com os erros e no próximo fazia-se mais e melhor.  

 

 

29
Dez17

Quando um título não é tudo na vida.

Eu

A campeã mundial de rápidas e semi rápidas de xadrez perdeu o título, mas ganhou a minha admiração. Bem sei que não é a mesma coisa, que não tem a mesma importância e nem o mesmo valor, mas tiro-lhe, definitivamente, o chapéu e ainda lhe faço uma vénia. 

Por ter tido a coragem e a ousadia de não ir. Por se recusar a ser tratada como coisa menor. Por não deixar que lhe imponham regras absurdas. Por mostrar ao mundo que o desporto não deve, nem pode, estar submisso a ideias culturais ou religiosas.

E também porque ser mulher e ir competir num país onde as mulheres não são respeitadas era descer a um patamar muito baixo e ela percebeu isso. Percebeu e teve a coragem de não ir. 

Gostava que mais mulheres tivessem tido a mesma coragem, que não tivessem ido, que não deixassem ser empurradas para o degrau de baixo. Porque o mundo precisa de mulheres assim, para que outras mulheres possam ser o que estas são. 

 

Seguramente que acordará com menos um ou dois títulos, com menos medalhas, com menos dinheiro, mas de cabeça muito mais erguida. E é isso que importa, porque o resto não dura sempre. 

 

 

Se Eu Mandasse Nisto....

.....perdia o título do xadrez, mas ganhava um outro pelo exemplo que deu. 

29
Dez17

Trump: O personagem do ano.

Eu

Na minha lista de personagens, e leia-se personagem no sentido depreciativo do termo, está em primeiro lugar, destacado de todos os outros, este senhor. 

Gostava, tenho mesmo curiosidade, de saber se as pessoas que votaram neste personagem estão contentes com o resultado.  Se voltariam a votar no mesmo. Se estão felizes com as decisões e com as tomadas de posição. Se o ouvem e se ficam orgulhosos. E, principalmente, se acham que uma pessoa que diz as barbaridades que ele diz é a pessoa certa para os governar. 

O comentário que fez ( usar o aquecimento global para combater o frio que se prevê na ultima noite do ano) é tão estúpido que ultrapassa a barreira da anedota. Cai para o outro lado.

 Podia ser uma piada, mas neste caso, vindo de quem vem é de tal forma descabido e despropositado que a única palavra que me ocorre é "burrice". É que só pode ser isso. A inteligência não dá para mais. 

Isto não são comentários admissíveis a um presidente, nem que fosse o presidente da Merdaleja de Cima, quanto mais ao presidente dos EUA. Revelam um total desconhecimento, uma completa falta de noção, um desrespeito pelos outros e pelo planeta e muita, mas mesmo muita, burrice. 

E o pior, é que parece que há mesmo quem bata palmas, como se de um espetáculo de circo se tratasse. 

 

Se Eu Mandasse Nisto...

.... O Senhor, este personagem, ia ter uma aulas (obrigatórias, porque voluntariamente não deve querer aprender nada) sobre alterações climáticas, clima, tempo. E calava a boca. 

 

28
Dez17

Lenço branco no parlamento.

Eu

Passa uma pessoa o ano todo a ouvir os representantes partidários a falarem mal uns dos outros. É porque fizeram, é porque deviam ter feito, é porque estava melhor como estava, é porque se fossem eles faziam melhor. As acusações sucedem-se por tudo e por nada. Para uns a culpa é da geringonça, para outros a culpa vem de trás e é uma espécie de herança do governo Passos Coelho. O certo é que até há uns dias me parecia que não havia um único assunto, uma única decisão, uma única tomada de posição em que houvesse entendimento entre eles. Nunca nada estava bem, nem era bem decidido. 

Mas, heis que, para espanto meu, apareceu finalmente o tal assunto em que todos, mas todos mesmo, estiveram de acordo. Todos alinharam pela mesma bitola, com exceção do CDS e do PAN que votaram contra duas medias. Todos os outros concordaram, caladinhos e de cara alegre. Refiro-me à lei de financiamento dos partidos, que permitirá que encaixem mais uns quantos milhares de euros.

Afinal, parece que está descoberto o segredo do entendimento. Quando o assunto é dinheiro para o próprio bolso estão todos de acordo e o governo faz tudo bem. E conseguem combinar as coisas sem alarido, sem necessidade de discussões, sem levantar o pó. Tudo feito calma e tranquilamente.

 

Haja entendimento!

 

Se Eu Mandasse Nisto...

....esta gente tinha vergonha na cara. Se as leis são para ser cumpridas, que as cumpram todas. Se as leis podem ser mudadas, que se mudem estas.

27
Dez17

Promoções, descontos, saldos. Há de tudo.

Eu

Começaram a chegar os mails e as mensagens a anunciar as promoções. Nas lojas o corrupio de gente a virar calças e camisolas já começou e há descontos para todos os gostos. Há descontos grandes, há descontos que se anunciam grandes, mas que as letras pequeninas transformam em quase nada e há, ainda, descontos que não existem, porque afinal os 50% anunciados são válidos apenas para algumas poucas coisas. 

Mesmo assim, quem não ficou farto de lojas com as compras do Natal, pode encontrar, em algumas lojas, artigos bem interessantes a um bom preço. É só uma questão de procurar, porque os lojistas resolvem todos, ou quase todos, desarrumar as lojas nesta altura. Aquilo que antes era lojas arrumadas, com uma disposição interessante e até apelativa, agora estão decoradas aos montes ou às filas. Há casacos e mais casacos todos alinhados em cabides gigantes, há filas de camisas, há montes de camisolas. 

Não percebo qual é a ideia, mas preferia que não transformassem as lojas numa espécie de feira, com tudo ao monte. Até as lojas de artigos de decoração estão no mesmo alinhamento. Tudo ao monte. Tudo arrumado por famílias, como se a pessoa que quer comprar uma vela ou uma moldura não possa dar dois passos para o lado. 

Complica-me um bocadinho. 

Gosto das coisas no sítio. Arrumadas. Com ordem e com ar de que estão a "decorar" o cenário. 

Gosto de entrar numa loja e não me sentir numa feira. Gostava que as lojas se mantivessem como estavam, organizadas. 

 

 

Se Eu Mandasse Nisto...

....os cartazes das promoções eram colocados lado a lado com os produtos, sem necessidade de os amontoar ou de agrupar por famílias. 

 

26
Dez17

As cartolas de Lisboa

Eu

O ano ainda não terminou e portanto ainda vamos a tempo de ouvir e assitir a mais uns disparates. Então não é que a Câmara Municipal de Lisboa vai gastar qualquer coisa com 57 mil euros em cartolas brilhantes para a festa de fim de ano.

57 mil euros? Está tudo doido? 

Andei o dia todo a pensar no assunto mas ainda não consegui achar nem lógica, nem justificação para este gasto absurdo. 

Primeiro, não percebo que retorno terá a câmara, ou as pessoas, ou o país com este gasto. Se não tem retorno, é dinheiro perdido, certo? 

Segundo, qual é o interesse de ter milhares de pessoas na festa de fim de ano com uma cartola brilhante na cabeça? Se não tem um objetivo válido, então é dinheiro deitado ao lixo, certo? 

Terceiro, a festa de fim de ano não tem de ser um espetáculo de circo, mas ainda assim, se alguém achar que sim e se quiser enfeitar, que compre a sua própria indumentária. Ter a câmara a patrocinar os adereços, é um disparate e dinheiro mal gasto, certo? 

Quarto, se ainda há, na cidade, obras por fazer, ruas e passeios por arranjar e gente a dormir na rua gastar 57 mil euros em cartolas é dinheiro desperdiçado, certo? 

Não me parece que, se fizessem uma consulta pública sobre este assunto, e sobre o uso dado aos 57 mil euros, que a câmara gere, mas que na verdade são de todos nós, houvesse alguém no seu perfeito juizo que achasse que isto era aceitável. 

Cá para mim, os turistas enfiam a cartola e os lisboetas vão enfiar um barrete. 

 

Se Eu Mandasse Nisto...

.... Estes tipo de gastos, quando ainda há tanto por fazer e para fazer eram, simplesmente, proibidos. E o presidente da câmara acusado, no mínimo, de má gestão dos dinheiros públicos. 

25
Dez17

As mensagens de Natal

Eu

Já está.  Passou mais uma noite de Natal e passou mais um dia de Natal. 

Comeu-se o bacalhau, trocaram-se os presentes, aproveitou-se a noite que cada vez mais tende a ser a única do ano, aquela em que a família se reúne sem pressas, com conversas, com memórias, com histórias para contar, e trocaram-se, suponho eu, milhares de mensagens de Boas Festas. 

Este ano, resolvi que ia ser diferente. Cheguei à conclusão que aquilo que eu fazia não era o que eu gostava de fazer, e aquilo que me faziam também não era o que eu gostava que fizessem. Este ano não mandei mensagens de Natal gerais, pelas redes sociais, não mandei sms ao molho, não partilhei imagens de árvores de Natal a piscar, nem do Pai Natal acompanhadas de frases eloquentes. 

Este ano, fiz aquilo que eu acho que se deve fazer. Que todos deviam fazer. Este ano tirei um pedaço do meu dia, não muito, para escrever meia dúzia de palavras para as pessoas que me são mais próximas. Palavras sentidas, palavras dirigidas a cada um, palavras que espero eu, tenham feito sentido na cabeça de quem as recebeu e tenham chegado para que cada pessoa  sentisse o quão importante é.

Não quero receber frases feitas, iguais às que recebem mil pessoas. Não quero receber gifs animados que passam de mensagem em mensagem, como uma epidemia. Não quero imagens de lareiras acesas de uma casa bonita mas que não conheço. Não quero palavras ditas por A ou por B, retiradas de um qualquer contexto, só porque soam bem.

Quero palavras de quem as escreve, ainda que não rimem nem façam uma frase digna de um livro. Quero palavras que saibam que são para mim,que me conheçam, que venham dirigidas. Quero imagens de sorrisos que conheço, de gente que conheço, de mesas que conheço.

Foi isto que eu fiz. Poucas palavras, para poucas pessoas, mas ditas e sentidas por mim.

Era isto que eu gostava que os meus amigos tivessem feito. E alguns, poucos, fizeram.

 

Se Eu Mandasse Nisto...

....As pessoas entenderiam o valor das palavras e não reencaminhariam mensagens feitas.  

23
Dez17

Os meus desejos de Natal

Eu

Que todos, mas mesmo todos, se reúnam com a família para passarem uma noite de Natal em paz e com toda a alegria do mundo. Que ponham de lado os problemas, que cheguem para lá as dores e as doenças, que encontrem o aconchego e o carinho que é suposto encontrar nesta noite. (Nas outras também, mas esta é especial)

Não posso deixar de dizer, ou escrever, que a família não é necessariamente aquele conjunto de pessoas que partilha os mesmos genes. São também todos aqueles que desafiaram a genética e se tornaram tão especiais e únicos que passaram a ser família. No meu caso, tenho muitos que sendo família nunca o foram, e que portanto, hoje e amanhã continuarão sem o ser e tenho outros, tantos ou mais, que embora nunca tenham sido, são da família há muitos anos.

Deixo também umas letras para todos aqueles que, por motivos vários, estes ano não reunirão as famílias - penso em toda aquela gente que perdeu familiares e amigos nos incêndios do verão, penso no Manel, que vai ficar na instituição que o acolheu, penso nas pessoas a quem a vida passou a perna e se encontram sozinhos, nos emigrantes que não podem vir nesta altura, penso em tanto outros..... - que encontrem neste Natal a paz e a capacidade de enfrentar a vida com um sorriso e que encontrem as pessoas, que mais tarde ou mais cedo passarão, não a ocupar o lugar dos outros, mas a ocupar um lugar, diferente, mas importante. 

 

Que se reúnam as famílias.

 

Se Eu Mandasse Nisto...

.... todos, mas mesmo todos, mesmo os que não se portaram muito bem, teriam um Bom Natal. 

 

 

 

 

 

22
Dez17

Greve nos hipermercados

Eu

Os funcionários dos hipermercados ameaçam e ao que parece vão cumprir. Nos centros de distribuição já entraram em greve hoje e nas lojas começam amanhã. Para os hipermercados a ideia não deve agradar nada e para quem deixou as compras de Natal para o fim, a ideia deve agradar ainda menos. Paciência. 

Tenho uma opinião muito própria a respeito das greves. Na maioria das vezes, o que acho é que os trabalhadores se entregaram nas mãos dos sindicatos e mais greve, menos greve, ficarão todos na mesma. Desta vez a minha opinião é diferente. Efetivamente as grandes superfícies geram milhões, geraram as maiores fortunas portuguesas e no entanto os trabalhadores recebem um ordenado que já não consegue fazer face às despesas da maioria das famílias. É preiso dar mais. E é preciso dar mais para receber mais. 

Os empregadores têm de perceber que quem trabalha quer ganhar um salário que seja justo, que corresponda ao esforço desenvolvido, que faça com que as pessoas tenham vontade de dar mais um bocadinho, quando é necessário. 

Mas...

Os trabalhadores também têm de saber que é preciso amor à camisola, que é preciso, às vezes, fazer um bocadinho mais , mais rápido e melhor. Também têm de saber estar, de cumprir, de não andarem constantemente à procura do bocadinho para não fazer. 

Ainda assim parece-me que desta vez a razão está do lado de quem ameaça parar. São precisas mais e melhores condições de trabalho. É preciso reconhecer quem trabalha e quem se esforça. É preciso ver que há trabalhos e empregos, e há quem trabalhe e quem esteja empregado. E é preciso remunerar convenientemente quem dá o seu melhor. 

 

Se Eu Mandasse Nisto....

..... os patrões percebiam que é preciso dar com uma mão para receber com a outra, que o salário mínimo não chega para alimentar uma família e que os bons trabalhadores têm de receber em conformidade. 

 

P.S. Existirão sempre bons e maus trabalhadores, mas essa triagem tem e deve ser feita pelos gerentes de loja, pelos responsáveis ou pelos patrões. Só ficam os bons. 

21
Dez17

A noite mais longa do ano.

Eu

É sempre assim, a natureza insiste em contrariar os apetites das pessoas. Em altura de compras, de azáfamas, de correrias, dava jeito que os dias fossem grandes, bem grandes. Mas não. A poucos dias do Natal, o planeta brinda-nos com um dia bem pequenino e em compensação dá-nos a noite maior do ano. 

Hoje começa o inverno e a Terra estará no ponto mais próximo do Sol, mas não é isto que encolherá o dia. O dia terá, como todos os outros, as mesmas 23 horas 59 minutos 59 segundos e mais uns milésimos de segundo, o que muda é que devido à inclinação do eixo terrestre, vamos ter, no nosso país, menos horas de luz, e consequentemente, mais horas de escuridão. Dizemos, por isso, que temos o dia mais pequeno e a noite maior do ano.

Nem tudo é mau. Não vamos poder aproveitar a luz do sol, mas vamos poder aproveitar a calmaria da noite, a lua e o céu estrelado durante mais tempo. E há que aproveitar bem, porque amanhã, eles já começam a crescer. 

 

 

Se Eu Mandasse Nisto...

..... hoje toda a gente parava um pouco, para saborear o silêncio da maior noite do ano. 

 

 

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D