Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Se eu mandasse nisto

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se eu mandasse nisto

16
Nov17

A mulher morreu, os policias são arguidos e a história repete-se.

Eu

Tenho cá uma ideia que já vi um filme com o mesmo argumento deste e o final não foi nada interessante, nem nada do que eu gostava que tivesse sido. 

 

Um bando de marginais faz um assalto e foge. A policia atravessa a cidade em perseguição, mas pelo caminho perde o rasto dos tipos. Ali ao lado, uma outra patrulha da policia manda parar um carro com as mesmas caracteristicas do que estava a ser procurado. E o condutor não para!

E é aqui que está o ponto fulcral da cena. O condutor é mandado parar e não para! 

E não para porquê? Ao que parece porque não tinha licença de condução, mas fosse lá pelo motivo que fosse, o certo é que desobedeceu a uma ordem da polícia. E segundo consta, a policia ainda é uma autoridade. 

Desobedeceu, ponto final!

E a polícia tem de atuar, porque caso contrário, daqui para a frente corriamos o risco da decisão de parar ou não perante uma ordem da policia ser voluntária, e os policias passariam de agente da autoridade e agentes da palhaçada. 

Se havia necessidade de atuar aos tiros? Naquela situação quer-me parecer que sim, porque tudo indicava que o carro era aquele, porque não se sabia do que seriam capazes aqueles bandidos se continuassem e porque houve uma desobediência. Nos tempos em que vivemos, em que  criminalidade cresceu e se tornou mais perigosa, em que o terrorismo ataca e manda atacar e dá ideias, só pode ser assim. 

Quem não deve, não teme. 

Agora, que os policias tenham sido constituídos arguidos, não me espanta e até acho bem, porque é preciso apurar milimetricamente as circunstâncias. Mas, se se vier a verificar que a história está bem contada e que os disparos foram feitos nas condições em que estão a ser descritas espero, honestamente, que não se transformem em mais um Hugo Ernano. 

 

Se Eu Mandasse Nisto...

... estas leis eram revistas. Não se pode culpar quem se limita a cumprir a sua missão. 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D