Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Se eu mandasse nisto

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se eu mandasse nisto

22
Abr18

Quem nasceu para lagartixa....

Eu

Uma leitura (na diagonal) de uma entrevista à Judite de Sousa e cheguei à conclusão que é urgente que se definam valores e que se ensine, de uma vez por todas, o que é ser bom, o que é ser diferente e o que é nos torna bons e diferentes. 

Que a senhora coloque o seu filho, infelizmente já desaparecido, no topo do mundo, eu entendo. Que ache que ele é, ou era, o melhor dos melhores, eu compreendo. Que pense e que acredite que fez o melhor por ele, eu aceito.

Que não exista dor igual à de perder um filho acredito, sem duvidar. 

Mas, o que não entendo, são os argumentos que usa e que, infelizmente, são usados pela maioria das pessoas. Vamos lá ver: 

O filho era o seu maior amor e seguramente o melhor de todos, pelo menos aos seus olhos, mas...

.....podia ser o melhor, mas não foi por andar na escola A ou na Universidade B. Escolas, universidades e instituições não fazem pessoas nem as tornam naquilo que elas não são. 

...podia ser muito culto, mas essa cultura não lhe veio por ter almoçado ao lado deste ou daquele. O que não falta é gente que almoça e convive com gente importante e nem por isso deixa de ser mal formada. 

...podia ter tido o privilégio de conhecer muitos países, mas isso também não nos diz nada sobre a pessoa, nem fez dele melhor pessoa. Conheceu e viajou, não por tivesse mais interesse do que muitos outros, mas porque aliado ao interesse tinha, também, quem lhe pudesse pagar isso. Há muito boa gente com interesse, com determinação, com vontade, mas cujos pais não ganham o que os pais dele ganhavam. 

...podia ter os melhores fatos e a maior coleção de gravatas, mas não eram isso que o tornava mais comunicativo ou melhor profissional. Tinha-as, bom para ele, mas não acrescenta nada à pessoa. 

O que é urgente que se ensine e que se perceba é que as pessoas se moldam, se tornam mais ou menos, melhores ou piores, mas sempre dentro daquilo que são. 

Quem nasceu para lagartixa, não chega a jacaré, nem que se pinte de verde, que nade no lago e coloque uns implantes de dentes afiados na boca. Quem não nasceu com capacidade de descoberta, com espírito de sacrifício, com interesse, com alma, com determinação, não há viagem, nem escola, nem universidade, nem conhecimentos que lhe valha. 

Não são as roupas, nem os sapatos, nem o ter ou o vestir mais ou menos, melhor ou pior que fazem o mérito. Não é andar na escola da moda, falar 4 ou 5 línguas diferentes e frequentar ateliers sem parar que te dão garantia de ser genial. Não é escolher a faculdade pelo nome, nem o curso pela moda e depois embarcar num Erasmus, só porque toda a gente faz que te torna cidadão do mundo. 

Para chegar longe e ser o melhor é preciso muito mais do que aquilo que o dinheiro pode comprar. 

O filho da Judite de Sousa, podia ser o melhor dos melhores, mas não pelos motivos defendidos pela mãe. 

 

Se Eu Mandasse Nisto....

....ensinava-se muito bem às novas gerações, que os ténis de marca não fazem uma pessoa, que o Erasmus não faz cidadãos do mundo, que os locais da moda, não dão passaportes para uma vida de sucesso. É preciso querer e fazer por isso.

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D