Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Se eu mandasse nisto

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se eu mandasse nisto

04
Out18

Ronaldices e ronaldeiras.

Eu

Anda o mundo das notícias às voltas com a suposta violação por parte do Ronaldo e mais letra, menos letra, vai tudo parar ao mesmo. Ninguém nega que houve efetivamente algum contacto sexual entre os personagens, mas daí até se poder chamar a coisa de violação parece-me, a mim, que vai uma distância grande. Uma distância e uns milhares de euros. 

Primeiro, se alguém está a ser forçado a fazer alguma coisa, grita, esbraceja, bate, tenta fugir....

Há algum relato de alguma destas coisas? Há marcas de violência? Nódoas negras? Alguém ouviu alguma coisa? Algum funcionário do hotel se apercebeu de alguma coisa? Pediu ajuda a alguém? 

Segundo, se alguém foi forçado a fazer alguma coisa, primeira coisa que faz, quando pode, é fugir e apresentar queixa. 

Fugiu? Apresentou queixa? Foi ao hospital, porquê? Estava ferida? Ou foi só registar por escrito que tinha havido contacto sexual com o Ronaldo? 

9 anos depois, de se ter dado a cena, aparecer agora uma queixa destas, parece-me que isto se trata de um caso de uma Ronaldice com uma Ronaldeira. Na altura calhou bem, não custou assim tanto, o dinheiro veio fazer jeito, mas agora dá jeito não ficar esquecida ou, talvez, receber mais uns cobres. 

Vamos lá ver...

Num caso destes não pode, não deve, não é aceitável que se troque o sofrimento, a dor, o abuso, o silêncio...por dinheiro. Porque há coisas que o dinheiro não compra. Não pode comprar! 

Porque, a ser verdade, aceitar calar em troca de uns milhares de euros, é um atentado contra a dignidade. É um atentado para com aquelas mulheres, e homens, que são violentados, que sofrem, que foram mal tratados, que tentaram fugir, que gritaram, que ficaram magoados...

A honra não pode ter preço. Nunca! 

E uma pessoa violada sexualmente, ou de outra forma qualquer, não pode, jamais, aceitar calar a troco de dinheiro. Nunca, mas muito menos em cima do acontecimento. Nessa altura tem de estar de cabeça perdida, doida, capaz de fazer muito mal a alguém. Nessa altura, não pode haver dinheiro no mundo que chegue para comprar o silêncio.

Neste caso, haja o que houver para se provar, a verdade é que esta senhora aceitou dinheiro (que suponho não tencione devolver) para esquecer aquela noite. 

É certo que quem não deve, não teme, mas a troca de sexo por dinheiro tem um nome, e não é este.

Se Eu Mandasse Nisto....

...Todo e qualquer violador seria severamente castigado, e para os violadores sexuais o castigo chamava-se "bisturi", mas casos como este deviam ser, também, para o outro lado. Prove-se o que se provar.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D