Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Se eu mandasse nisto

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se o mundo anda ao contrário, se as pessoas andam com as ideias trocadas, se as prioridades andam invertidas, se os deuses andam loucos, haja alguém para mandar nisto, por favor.

Se eu mandasse nisto

03
Abr19

Beijinhos do Ronaldo

Eu

Que o Ronaldo ande nas bocas do mundo, já estamos habituados, mas desta vez o motivo é bem diferente do habitual. Não foi porque marcou ou não marcou, não foi porque ganhou ou deixou de ganhar, nem foi porque foi acusado ou deixou de ser. O motivo foram os beijinhos que deu à filha.

O homem, que é pessoa (embora muitos achem que não) é também companheiro e é pai. E como pai que é, faz coisas que a maioria dos pais fazem. 

Ronaldo publicou um vídeo onde surge a dar beijinhos na boca da filha. E é aqui, que surge o problema. É que os beijinhos podiam ser dados em qualquer lado, mas na boca a coisa pia mais fina. 

Levantaram-se logo mil vozes, entre pediatras e especialistas de sofá, a condenar tal atitude. Uns, porque não deve, seguramente, conhecer os riscos que está a fazer a criança correr. Outros, porque os beijos na boca têm sempre um cariz sexual e está mal, muito mal, dar beijinhos na boca da filha. Outros, ainda, porque proximidade a mais não é saudável e um abraço apertado chega e sobra para aquecer o coração da pequenita. 

A única coisa que me ocorre dizer é "está tudo doido"?

Primeiro, os pais dão beijinhos porque sim e a maldade da coisa só está na cabeça de quem a pensa. Não tarda chegaremos ao limite em que os pais não podem trocar a fralda das filhas não vá alguém achar que tocar aqui ou ali pode ser entendido como outra coisa qualquer.

Segundo, mimos, colo e beijinhos nunca são demais, tenham os filhos um, dois ou vinte anos. Não chega um abraço se o que as crianças queriam era um beijinho. Não chega um beijinho quando o que as crianças queriam era colo. 

Terceiro, que os beijos e os beijinhos podem transmitir doenças, é do conhecimento público, mas não me parece que o Ronaldo estivesse com um ataque de herpes, muito menos com uma gastroenterite. Também não lhe vi ranho a pingar do nariz, não lhe ouvi tosse nem o vi a espirrar. Constipado também não devia estar. Além disso, acredito que se estivesse com alguma doença, estaria quieto e não se andaria a filmar aos beijinhos à filha. 

Mas, olhemos para os pais que são apenas pais e não andam nas bocas do mundo. Quantas vezes deixam os filhos dar uma lambidela no gelado? Quantas vezes os deixam lamber a colher do café? Quantas vezes partilham o bocadinho do chocolate? Quantas vezes lhes dão um bocadinho da sobremesa do almoço e fazem-no com a própria colher? Quantas vezes levam a colher deles à boca para ver se a sopa está quente? Ninguém se preocupou com doenças nem com outras coisas que tais, pois não? Porque os pais sabem, melhor que ninguém, o que é que podem fazer. E fazem o que lhes apetece. E é muito melhor assim. 

Se não complicarmos o que é simples, venha do Ronaldo ou de outra pessoa qualquer o mundo faz o que dia o outro: "Pula e avança como bola colorida entre as mãos de uma criança". 

 

Se Eu Mandasse Nisto...

... Deixávamo-nos de andar à procura do papão. As coisas são simples se as fizermos simples. 

 

04
Out18

Ronaldices e ronaldeiras.

Eu

Anda o mundo das notícias às voltas com a suposta violação por parte do Ronaldo e mais letra, menos letra, vai tudo parar ao mesmo. Ninguém nega que houve efetivamente algum contacto sexual entre os personagens, mas daí até se poder chamar a coisa de violação parece-me, a mim, que vai uma distância grande. Uma distância e uns milhares de euros. 

Primeiro, se alguém está a ser forçado a fazer alguma coisa, grita, esbraceja, bate, tenta fugir....

Há algum relato de alguma destas coisas? Há marcas de violência? Nódoas negras? Alguém ouviu alguma coisa? Algum funcionário do hotel se apercebeu de alguma coisa? Pediu ajuda a alguém? 

Segundo, se alguém foi forçado a fazer alguma coisa, primeira coisa que faz, quando pode, é fugir e apresentar queixa. 

Fugiu? Apresentou queixa? Foi ao hospital, porquê? Estava ferida? Ou foi só registar por escrito que tinha havido contacto sexual com o Ronaldo? 

9 anos depois, de se ter dado a cena, aparecer agora uma queixa destas, parece-me que isto se trata de um caso de uma Ronaldice com uma Ronaldeira. Na altura calhou bem, não custou assim tanto, o dinheiro veio fazer jeito, mas agora dá jeito não ficar esquecida ou, talvez, receber mais uns cobres. 

Vamos lá ver...

Num caso destes não pode, não deve, não é aceitável que se troque o sofrimento, a dor, o abuso, o silêncio...por dinheiro. Porque há coisas que o dinheiro não compra. Não pode comprar! 

Porque, a ser verdade, aceitar calar em troca de uns milhares de euros, é um atentado contra a dignidade. É um atentado para com aquelas mulheres, e homens, que são violentados, que sofrem, que foram mal tratados, que tentaram fugir, que gritaram, que ficaram magoados...

A honra não pode ter preço. Nunca! 

E uma pessoa violada sexualmente, ou de outra forma qualquer, não pode, jamais, aceitar calar a troco de dinheiro. Nunca, mas muito menos em cima do acontecimento. Nessa altura tem de estar de cabeça perdida, doida, capaz de fazer muito mal a alguém. Nessa altura, não pode haver dinheiro no mundo que chegue para comprar o silêncio.

Neste caso, haja o que houver para se provar, a verdade é que esta senhora aceitou dinheiro (que suponho não tencione devolver) para esquecer aquela noite. 

É certo que quem não deve, não teme, mas a troca de sexo por dinheiro tem um nome, e não é este.

Se Eu Mandasse Nisto....

...Todo e qualquer violador seria severamente castigado, e para os violadores sexuais o castigo chamava-se "bisturi", mas casos como este deviam ser, também, para o outro lado. Prove-se o que se provar.

04
Abr18

O Ronaldo marcou. A claque adversária deu a lição.

Eu

O Ronaldo marcou. O golo foi um "senhor golo". As imagens do pé levantado a mais de dois metros de altura vão ficar para a história, mas foi a claque adversária que deu a lição. Porque, se às capacidades extraordinárias do Ronaldo já estamos habituados, às atitudes desportivas de uma claque, nem por isso. E porque o futebol, principalmente o futebol, pelo tamanho gigante de números de que faz mexer, tem de ser exemplo, e a claque foi exemplo. 

Exemplo do que deve ser. Exemplo do que se deve fazer. 

Ao terem aplaudido, alguns deles de pé, o golo marcado pelo Ronaldo contra a sua equipa, faz deles um exemplo de desportivismo, de saber estar, de saber fazer. Desporto tem de ser isto. 

Que fiquem para a história também. 

 

Se Eu Mandasse Nisto....

...Os lideres de algumas das nossas claques sentavam-se no sofá, durante algumas horas, a ver as imagens, para aprenderem como é que se faz. 

 

20
Mar18

O desporto foi Rei. O melhor voltou a ser o Melhor.

Eu

A gala Quinas de Ouro, decorreu ontem, no pavilhão Carlos Lope, em Lisboa e destacou os melhores do futebol, futsal e futebol de praia. 

Numa noite em que o desporto foi rei, e foi rei da forma que deve ser, sem polémicas, sem denúncias, sem confusões nem complicações, destacaram-se equipas, treinadores e atletas.  E, nesta noite em que o desporto falou mais alto, o Ronaldo voltou a ser eleito o Jogador do Ano. E voltou a mostrar que é possível quando se quer. E voltou a mostrar que está num patamar muito alto. E voltou a mostrar, embora já não precise de o  fazer, que acredita nos valores que lhe passaram e que faz disso uma forma de estar na vida. 

E se é verdade que todos são dignos de méritos, e se é verdade que todos deram o seu melhor e que todos trabalharam muito para chegar onde chegaram, o Ronaldo voltou a mostrar, e a afirmar, que só com muito esforço e muita dedicação se chega onde ele chegou. 

 

Se Eu Mandasse Nisto..

...O nosso futebolzinho aprendia com esta gente. Desporto é isto, não são guerras e guerrinhas e polémicas e outras coisas que tais. 

07
Dez17

A bola de ouro é dele, outra vez.

Eu

E estamos de parabéns outra vez. 

Pela sétima vez, e pela quinta graças ao Cristiano, estamos outra vez nas bocas do mundo por um bom motivo. 

 

É dificil ser-se tão bom e é dificil chegar a este patamar. É preciso reconhecer e dar valor. 

Falo do Ronaldo jogador, do desportistas, do que treina. Falo do Ronaldo que saiu da Madeira ainda menino para seguir os sonhos. Falo sem retirar valor ao Messi ou a outro qualquer. Falo sem me importar com o Ronaldo pai, filho, irmão. 

Este Cristiano chegou onde muito poucos chegaram e mesmo que agora esteja a "abrandar" como dizem os jornais, mesmo que o seu desempenho ultimamente não tenha sido tão excelente, há que se tirar o chapéu ao homem.

 

Se Eu Mandasse Nisto...

....Todos faziam a distinção entre o Ronaldo e o Ronaldo. E davam o devido valor ao desportista.

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D